Hoje, seguindo o caminho para a frente sempre….

23 09 2010

Dou por mim a superar as coisas com muito mais facilidade… Não é que não haja problemas, simplesmente tornou-se mais fácil para mim ultrapassá-los, ou não me afectarem tanto… Caímos?? Levantamo-nos a seguir!!! Porque deixei de tolerar pessoas que se queixam da própria vida, pessoas que estão afogadas na sua autocomiseração, tristeza e apatia e simplesmente NÃO FAZEM NADA PARA MUDAR! Se sabem que estão mal só continua lá quem quer! E nisso, amigos, santa paciência, mas eu não aturo, não tenho paciência, não admito sequer que abram a boca para se queixarem!!! Problemas todos temos, mas a nossa maturidade está na capacidade que temos para superá-los e de aprendermos com eles, para não tornarmos a cometê-los, para nos tornarmos mais fortes… Deixei de me acomodar, passei a ir à luta, se não querem, há mais quem queira, deitar as unhas de fora, esgadanhar no lodo se for preciso, não deixar que as outras pessoas escolham o rumo da minha vida nem tão pouco interfiram no bom funcionamento dela!

Finalmente acabei o curso! Já não era sem tempo, é verdade, mas usei o que tinha e o que não tinha para conseguir! Quando soube, fiquei 3O minutos sentada no carro a chorar que nem uma desalmada e a tremer que nem varas verdes porque FINALMENTE atingi, consegui, lutei e deu frutos! E é das melhores sensações da vida!!!

Por isso é uma mensagem para todos:

LUTEM,

DEITEM AS UNHAS DE FORA,

MOVAM MUNDOS E FUNDOS,

VOMITEM DE ESFORÇO!!!!!

Porque no final, mesmo que não consigam, podem dizer “Não consegui, mas TENTEI! Sei que dei o melhor de mim…” Mas ao final do dia, são vocês que deitam a cabeça descansada na almofada e dormem uma boa noite de sono!! Porque não há pior sensação do que “eu sei que podia ter feito muito mais!” E assim a vida vai-nos passando ao lado, as oportunidades vão-nos fugindo como areia por entre os dedos…

Anúncios




Hoje, a vida sorri-me…

6 07 2010

Poderia dizer mil coisas, de como me cansei de falsas amizades, de interesses, de infantilidades, de sentimentos, de procuras, de mentiras….

Mas não… Não vou falar… Sou superior a tudo isso…. Já “alguém” dizia “comigo quem quiser, contra mim quem puder!” Além disso estou no turbilhão da felicidade!

Estou na melhor fase da minha vida. A sério! Para além do crescimento pessoal que ocorreu nestes últimos meses, sei perfeitamente como sou e quem sou e, melhor que tudo, aceito-me como sou! Tenho os meus defeitos, as minhas qualidades, as minhas falhas, mas quem as não tem? Simplesmente aprendi a viver com elas, a tentar errar o mínimo possível e a fazer as coisas com a cabeça no sítio, pensando mesmo muito, para, se algo correr mal, admitir o meu erro. É um problema constante das pessoas, esquecerem-se de admitir os seus próprios erros, como se isso fosse um caso de vida ou morte! Não é por admitirmos que errámos que somos menos pessoas, que as pessoas deixam de gostar de nós ou que nos vão julgar… Muito pelo contrário: surpreendem-se por estarmos a admitir uma falha e gostam ainda mais de nós por verem que somos humildes, sinceros e gostamos da outra pessoa ao ponto de lhe demonstrarmos as nossas falhas. Mas não é assim! “Olha para mim que sou tão forte e não vou admitir!” É triste! Porque essas pessoas acabam por ficar sozinhas, no meio da sua autocomiseração, egoísmo e teimosia… Se erramos, descobrimos o erro, admitimo-lo e fazemos os possíveis por corrigi-lo. Não é apenas “sim, errei!” e depois ficarmos impassíveis a olhar para a vida a passar, como se nada fosse….

Aprendi a quem dar realmente atenção, a quem dar a minha amizade, com quem partilhar os meus segredos, a manter a maior parte dos aspectos da minha vida apenas para mim (sim pai, finalmente, depois de tantos anos, aprendi!), a não misturar a vida privada com a profissional, aprendi a dizer “Não”, quando tem de ser, aprendi a não ter medo, aprendi a enfrentar as situações, a “pegar o touro pelos cornos” e a não fugir, aprendi a dizer as coisas quando têm de ser ditas e não ficar com medo do que as outras pessoas pensam, se vão ficar magoadas ou não. Se há amizade, as pessoas simplesmente ouvem o que temos a dizer e concordam ou não, mas não ficam chateadas, porque toda a gente tem direito à sua opinião e só porque é contrária à nossa não podemos ficar chateados.

E depois há aquelas situações pontuais de pessoas mesquinhas, tacanhas, egoístas, infantis, que, sabe-se lá porquê, mentem a nosso respeito, apenas para saírem de forma airosa de uma situação, ou para aumentar ainda mais a ideia de vítima, ou simplesmente pelo prazer de fazer mal… Dessas pessoas, por muito amor que lhes tenha, quero distância!

Aprendi que mais vale poucos mas bons e os meus amigos são poucos, é um facto, mas sei que em qualquer situação eles estarão lá. São amigos que me aceitam como sou, que não me criticam nem julgam e muito menos me tentam mudar, gostando de mim exactamente como sou. São amigos que correm o mundo por mim, que partilham alegrias e tristezas, momentos de festa e abraços. São amigos que embarcam na loucura apenas porque estamos todos reunidos para o mesmo e não interessa que problemas temos naquele momento! E tudo isto é recíproco e eles também sabem isso. São poucos mas são suficientes para me dar ao luxo de seleccionar quem são as pessoas que quero na minha vida e as que não quero, são suficientes para simplesmente fazer uma limpeza à “carteira de amigos” e descartar aqueles que não interessam.

Neste momento sinto-me completa em amigos, satisfeita com a pessoa que sou, realizada, com o meu principal objectivo, se Deus quiser, a pouco mais de dois meses de estar cumprido, sinto-me bem, estou rodeada de pessoas boas, de sentimentos bons, de “good vibes”!

Há ainda um longo caminho a cumprir, mas esse é feito de pequenos passos e acredito que os principais foram dados agora. Falta apenas limar arestas, polir a superfície e estarei pronta para embarcar numa nova etapa da minha vida que, espero, esteja mesmo muito próxima!

E que continue preenchida de bons momentos, sorrisos, bons amigos, boa música e muita alegria à mistura!





Hoje, superando sonhos desfeitos…

29 04 2010

O coração parte-se, as desilusões crescem, as amizades desaparecem e outras fortalecem, novo amor, novas amizades, muitas alegrias, novas desilusões, sempre num ciclo vicioso, porque A VIDA SEGUE SEMPRE!

E neste momento eu já não me importo…

Não me importo se continuas a ler-me ou não. Eu não me importo se irás entender correctamente o que digo ou se a tua imaginação vai inverter os factos. Eu simplesmente NÃO ME IMPORTO. Não me importo se voltarás ou se desististe. Não me importo se um dia me quiseste ou se apenas me iludiste. Não me importo. Qualquer regra desse jogo presunçoso e absurdo que inventámos foi quebrada. Eu simplesmente não me importo… Se o telefone ainda vai tocar, se ainda pensas em mim, se algum dia pensaste sequer. Não me importo. Não me importo com a lembrança do teu rosto, que vai desaparecendo da minha mente. Se não me lembro do teu cheiro, se foi mesmo verdade o que me disseste naquela música. Eu não me importo. Qualquer verdade que tenha sido vivida era só minha. O MEU desejo, a MINHA verdade, o MEU amor inventado. Eu simplesmente não me importo. Com os teus ataques ciumentos, com a tua vontade forjada de me ver. Se quisesses tanto ver-me, terias visto. Terias visto o meu olhar a procurar-te na rua pela qual andamos todos os dias separados. Mas agora simplesmente não me importa. Se daqui para frente vais sentir-te livre ou solitário. O problema não é meu. Não me importo. Se não houve amor, nem amizade. Não me importa. Se vais sair à chuva nesta noite. Se a tua equipa ganha ou perde, o teu humor não me atinge mais. Eu já não penso mais, eu já não quero pensar mais. Se amanhã há-de ser outro dia sem a tua companhia, quando é que houve um dia contigo? Eu simplesmente não me importo se agora não sabes onde moro, para que te serviu saber isto antes? Nunca apareceste por aqui. Mas eu simplesmente não me importo. Se terás ou não tempo para mim. Eu é que não tenho mais tempo para ti, não tenho mais tempo para te esperar. Cumprirei a minha promessa, não mais te imaginar. Mas já não me importo. Com as músicas que tocam e me lembram de ti. Já não me importo em me ter dado tanto e recebido o tanto que me quiseste dar e ser só isso, contentar-me com o pouco que para mim era tanto. Já não me importo com esta coisa grave de não ser nada e ser tudo ao mesmo tempo. E já não me importo com esta relação desafinada, ainda que seja a meio tom. As nossas vidas estão descompassadas. Não me importa se escrevi tantas cartas e se não te entreguei nenhuma delas, não me importa que leias tudo agora e as sintas com um tom de raiva que de certeza estás a imaginar. Já não me importa que saibas como te amei. Já não me importa que saibas como te desejei. Já não me importa. Sem mais regras, nem jogos, só verdades ditas, mesmo que tarde demais. Porque hoje é tarde demais para qualquer palavra, qualquer acto. Porque hoje eu simplesmente não me importo mais em ser alguém perfeito para ti. Ou se haverá outro que me faça tão bem como um dia, por alguns dias, tu fizeste. Simplesmente não me importa mais. O amor não me importa mais. E tudo isso de não importar, não é raiva, nem ódio, é (in) diferença dentro de mim. Para mim é indiferente saber de ti. Porque dentro de mim tu já morreste.

E a vida segue sempre o seu caminho, e estamos prontos para mais uma volta na montanha russa, preparados para passar exactamente nos mesmos sítios! Aprendemos com os erros, mas infelizmente não no amor e na amizade, não nos sentimentos! Porque é isso que nos mantem vivos, é isso que nos faz respirar e querer viver mais um dia! Juramos que não iremos cometer os mesmos erros outra vez, dizemos que desta vez é diferente, que desta será para sempre… E lá caimos nós outra vez… E levantamo-nos e sobrevivemos e seguimos em frente! Porque as pessoas, ainda que sejam sempre pessoas, são todas diferentes umas das outras e todas elas merecem uma oportunidade e nós confiamos que desta vez vai ser a tal. E fazemos bem, porque aprendemos mais um pouco, conhecemos mais uma pessoa, instruimo-nos a nível sentimental e psicológico, tornamo-nos mais fortes para enfrentar outros desafios da vida! E nesse sentido, a todas as pessoas que passaram na minha vida, tenham tido o papel que tiveram, apenas lhes posso agradecer porque me ajudaram a aprender um pouco mais!


A broken heart can be pieced back together… It might be a heart again, but it is still a broken one!





Sonho de Conto Infantil

12 04 2010

Pensava que já tinha postado este conto no meu blog,mas depois de uma pesquisa reparei que ainda não e isso é imperdoável!!!

A pequena lebre cor de avelã, que ia deitar-se, agarrou-se firmemente às longas orelhas da grande lebre cor de avelã. Queria ter a certeza de que a grande lebre cor de avelã estava a ouvi-la:
– Adivinha quanto gosto de ti. – disse ela.
– Oh, não sei se sou capaz de adivinhar isso! – disse a grande lebre cor de avelã.
– Isto tudo! – disse a pequena lebre cor de avelã, esticando os braços para os lados tão longe quanto podia.
A grande lebre cor de avelã tinha os braços ainda mais compridos.
– Mas eu gosto de ti isto tudo! – disse.
Hmmm… Isso é muito, pensou a pequena lebre cor de avelã.
– Gosto de ti tão alto quanto consigo alcançar! – disse a pequena lebre cor de avelã.
– Eu gosto de ti tão alto quanto eu consigo alcançar. – disse a grande lebre cor de avelã.
Isso é mesmo muito alto, pensou a pequena lebre cor de avelã. Quem me dera ter braços assim. Então, a pequena lebre cor de avelã teve uma boa ideia. Fez o pino e chegou com os pés ao tronco da árvore.
Gosto de ti até à ponta dos meus pés! – disse.
– E eu gosto de ti até à ponta dos teus pés! – disse a grande lebre cor de avelã, balançando-a no ar.
– Gosto de ti tão alto quanto consigo saltar! – disse a pequena lebre cor de avelã rindo e saltitando.
– Mas eu gosto de ti tão alto quanto eu consigo saltar. – sorriu a grande lebre cor de avelã e saltou tão alto que as suas orelhas tocaram nos ramos da árvore.
Que belos saltos, pensou a pequena lebre cor de avelã. Quem me dera conseguir saltar assim.
– Gosto de ti por aquele caminho abaixo, até ao rio. – gritou a pequena lebre cor de avelã.
– Gosto de ti até depois do rio e das montanhas! – disse a grande lebre cor de avelã.
Isso é muito longe, pensou a pequena lebre cor de avelã. Já estava tão ensonada que mal conseguia pensar. Então, olhou a grande noite escura por entre os arbustos. Nada poderia estar tão longe quanto o céu.
Gosto de ti até à Lua. – disse, fechando os olhos.
– Oh, isso é longe – disse a grande lebre cor de avelã – Isso é mesmo muito longe.
A grande lebre cor de avelã deitou a pequena lebre cor de avelã na sua cama de folhas. Inclinou-se sobre ela e deu-lhe um beijo de boas-noites.
Então, deitou-se bem perto e sussurrou com um sorriso:
– Gosto de ti até à Lua… e de volta até à Terra.

Para pessoas especiais, palavras especiais!

Para não variar, tenho vontade de muita coisa, e acabo por nunca fazer nada… Canso-me de correr sempre que nem uma desalmada, nunca ter tempo para nada, fazer tudo a correr, deixar metade das coisas para trás, não conseguir dormir decentemente, das dores no meu corpo todo que teimam em não passar, cansada da cabeça, mente, espírito, corpo,cansada de estudar, cansada de trabalhar, cansada de viver, sinceramente :S São dias atrás de dias, atrás de dias e quando damos por nós temos 89 anos e a vida já passou, mas foi quase tudo do mesmo….

Estou cansada, só isso…….

[*] A todos!!!





Sonhos actualizados

24 03 2010

A vida muda com uma facilidade estrondosa… Podemos queixar-nos muito hoje, mas amanhã já estamos a pular de alegria porque houve algo que nos acordou da apatia profunda em que estávamos…

Depois da letargia em que estava desde inícios de Dezembro, depois da dor latente mesmo antes do final de ano e de dois meses de MERD@ intensiva em que a única coisa que me fazia levantar da cama era ir para festas à noite e tentar esquecer a apatia, dor e solidão, com os poucos amigos que, incansáveis, ainda restam, finalmente renasci.

A fénix (em grego ϕοῖνιξ) é um pássaro da mitologia grega que, quando morria, entrava em auto-combustão e, passado algum tempo, renascia das próprias cinzas. Pode-se se transformar em uma ave de fogo.

Teria penas brilhantes, douradas, e vermelho-arroxeadas, e seria do mesmo tamanho ou maior do que uma águia. Segundo alguns escritores gregos, a fénix vivia exatamente quinhentos anos. Outros acreditavam que seu ciclo de vida era de 97.200 anos. No final de cada ciclo de vida, a fénix queimava-se numa pira funerária. A vida longa da fénix e o seu dramático renascimento das próprias cinzas transformaram-na em símbolo da imortalidade e do renascimento espiritual.

Nós somos como uma Fénix, renascemos dos piores momentos, dos piores sofrimentos, e lá estamos nós brilhantes, alegres e VIVOS outra vez! Já me repito, mas como diz o meu pai: “a vida é uma linha sinusoidal!” Tudo o que sobe, desce e nada se mantém por muito tempo na mesma posição… Por isso temos de aproveitar os bons momentos quando eles nos aparecem na vida e aprender e tirar lições dos maus, tendo sempre em mente que um dia eles passarão.

“Fecha-se uma porta e abre-se uma janela!” As pessoas entram na nossa vida por um motivo, numa dada altura e nós temos de conseguir compreender porquê. E nestes últimos meses tive a sorte de ter a meu lado os meus Amigos de sempre, os antigos, os presentes todos os dias, mesmo que estejamos a 1000 quilómetros de distância, mesmo que só haja uma mensagem de 4 em 4 meses, e de conhecer novas pessoas surpreendentes, que nos fascinam, conquistam e ocupam cantinhos especiais. Ainda que um pouco cega, os últimos 4 meses foram recheados destes Amigos, Amigos que ajudaram,Amigos com paciência, Amigos que estiveram lá quando precisei, pessoas que sem me conhecerem de lado nenhum me ajudaram a ultrapassar esta fase menos boa…

Ainda não estou a 100% e deixou muitas cicatrizes, marcas indeléveis, mas essas são as minhas marcas de guerra, são as marcas que me lembrarão de não cometer o mesmo ERRO outra vez!!

Entretanto, volta-se a sorrir aos poucos, passam-se bons tempos com Amigos antigos e Amigos novos, começa-se a viver a vida outra vez e verificamos que foi mais uma fase, que a vida não pára, que a vida não espera, que estamos a perder oportunidades, que estamos prontos para seguir em frente, que uma pessoa não são pessoas, que os sentimentos são inesgotáveis,mas que temos de aprender muito bem a quem os dedicamos, porque raiva e ódio não nos levam a lado nenhum, porque o amor pode magoar, porque a amizade pode ser traída ou desprezada…





“Is maith an scáthán súil charad”…

28 12 2009

… disseste-me tu um dia.

E eu junto também: “Is minic an fhírinne searbh.”

É o estarmos de fora que nos permite ver as coisas com outro distanciamento, com outros olhos, com outra frieza… Mas por mais que nos avisem, nós iremos sempre cair no erro, iremos sempre bater com a cabeça na parede e os outros irão sempre dizer “eu bem te avisei”! Foi assim com a minha bisavó, com a minha avó, mãe, pai e é-o comigo! E com todos…

Gostaria às vezes de não dizer tanto “eu avisei-te”, mas acontece com uma frequência medonha… Normalmente para o mal, senão a esta altura já teria ganho o Euromilhões… E chateia-me também não o aplicar a mim… Consigo colocar-me fora do meu corpo e avaliar as situações, ao ponto de dizer: “vais-te arrepender se fizeres isso”,mas não me adianta de nada, porque irei sempre bater com a cabeça porque sigo o coração…

No fundo sabia que isto iria acontecer, mas tal como o Luke escreveu, acreditamos sempre no Príncipe Encantado, mas ele simplesmente não existe… E procuramos, procuramos,procuramos e quando damos por nós desperdiçamos uma vida inteira à procura da felicidade suprema, quando aquilo que realmente importa são os pequenos momentos, as pequenas alegrias que temos diariamente.

“O valor das coisas não está no tempo em que elas duram, mas na intensidade com que acontecem.

Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis.”

Pelo menos guardamos isso, e é melhor que aprendamos sempre com cada situação, para não repetir os mesmos erros do passado…

Já dizia Zenão de Cítio:

“Todos nós podemos errar, mas a perseverança no erro é loucura.”

e ainda:

“A natureza deu-nos duas orelhas e uma só boca para nos advertir de que se impõe mais ouvir do que falar.”

Mas creio que é filosofia minha cometer os mesmos erros, vezes e vezes sem conta… Mas também há aquelas pessoas que por mais que falemos, nada entra, nada fica… Há aquelas pessoas que ouvem TUDO o que lhes dizemos, mas escutar está quieto! É o verdadeiro “falar para as paredes” e nós ficamos ali, há espera que um dia escutem verdadeiramente o que estamos a dizer… Porque podes estar a olhar para mim com toda a atenção do mundo e a ouvir o que eu digo, mas não estás a escutar NADA! Basta que não prestes atenção ao que estou a dizer… E esperas, esperas… E um dia desesperas verdadeiramente. Não é que não ames a pessoa, simplesmente ficas saturada de esperar, saturada de esperar mudanças, saturada de esperar que um dia as coisas mudem e que verdadeiramente TE ESCUTEM, saturada de esperar que um dia te respeitem por aquilo que és e que VERDADEIRAMENTE TE CONHEÇAM! Não é fácil…

Acima de tudo, amiga, e porque muito provavelmente não estás a perceber patavina disto, respeita-te e EXIGE que te respeitem! Não permitas nunca a ninguém que te espezinhe, que te faça sentir abaixo de cão, mesmo uma merda, não mudes se não achas que o deves fazer e nunca te esqueças QUEM ÉS e o que te tornou assim!

Preciso de ti, todos os dias um bocadinho mais é certo….

Mas agora preciso mesmo muito…

E tu não estás…

E isso doi…

Deixei de ESCUTAR o meu coração, porque fui para onde ele me levou e não tenho sido bem sucedida nas viagens…

Talvez deva apenas OUVI-lo….





Sonhos, apenas sonhos…

15 11 2009

Há coisas que acontecem e nós nem nos apercebemos. Umas vão-se aproximando devagarinho como o amanhecer, outras rebentam num àpice, como um trovão… A tua entrada na minha vida foi mais do género da segunda, intempestiva, inesperada, magnífica!

Muita coisa se passou desde que começamos. Mas creio que é a nossa separação agora que vai fortalecer a nossa relação e que a vai definir. Depois de ultrapassarmos  isto, aguentamos tudo! Basta acreditarmos em nós, confiarmos e termos força de vontade! Ambos sabemos o que sentimos um pelo outro,  ambos sabemos que a forma como as coisas se passaram connosco foram diferentes, especiais. Foi dificil durante um tempo, mas creio que agora estamos a crescer e que aprendemos com os nossos erros!

Peço-te aquilo que sempre pedi: confia, acredita, ama, respeita!

Com tempo, sem pressões, as coisas acabam por realizar. E eu farei tudo para que as coisas funcionem!

E mais um tempo e vamos estar de novo juntos! Acreditando, o tempo passará num abrir e fechar de olhos!

E já sabes: quando aprenderes a tocar… 😉